Lucas se licencia no final de agosto para João Cardoso assumir a Câmara

Na tarde desta sexta-feira (3) o vereador Lucas Neves, Luiz Marin e o presidente local do partido (PSL) , Alberi Chiodelli estiveram visitando o suplente de vereador João Cardoso. Lucas informou que estará se licenciando no dia 31 de agosto para se dedicar ao processo eleitoral.

Por conta disso, João Cardoso assumirá no dia 1º de setembro a vaga de vereador do PSL.

“João Cardoso se mostrou muito otimista com a oportunidade, além de se propor a auxiliar de sobremaneira na construção de um projeto. Tenho certeza que a Câmara ganhará muito com a chegada de João Cardoso”, disse Lucas.

Por cinco votos a quatro, vereadores rejeitam projeto para redução dos vencimentos em Otacílio Costa

Na última segunda-feira, a Câmara de Otacílio Costa votou o projeto que previa a redução dos vencimentos dos vereadores, prefeito, vice-prefeito, secretários, presidente Câmara.

Os vereadores de oposição (Edson Pasold, Denilson Padilha, Jean Valente e Leonir Ribeiro, apresentaram um projeto de lei complementar para reduzir os salários para a próxima gestão. De acordo com a votação foi reprovado pelos vereadores:

Essa redução nos salários resultaria numa economia aproximadamente segundo Edson Pasold e demais vereadores de R$ 2.5 milhões durante os 4 anos.

A redução prevista era de 30% sobre os atuais vencimentos:

Hoje o prefeito recebe R$ 21 mil, o vice prefeito recebe R$ 10.500,00, os secretários R$ 6.200,00 e os vereadores de Otacílio Costa tem um vencimento de R$ 7.200,00. Valores bastante altos se levado em conta o número de habitantes: 18.774.

Informações do Jornal Atualidades

Presidente do Guarujá lamenta que continuam jogando lixo às margens da avenida da Torres

Luiz Borges, presidente da Associação de Moradores do Bairro Guarujá lembra que recentemente foi feito mutirão de limpeza para deixar a avenida das Torres mais bonita “pois, afinal é o principal portal se entrada do GUARUJÁ”, disse ele.

“Mas não iremos desistir. Estaremos sempre lutando por um bairro mais limpo e melhor de viver”.

Amures pede ajuda de Brasília e pede que Defesa Civil Nacional faça uma visita à Capão Alto para ver os estragos

O presidente da Amures, o prefeito de Correia Pinto, Celso Rogério Ribeiro enviou um ofício ao secretário da Defesa Civil nacional, Alexandre Lucas Alves, solicitando ajuda aos 18 municípios da Serra para minimizar os impactos causados pelo desastre natural (CICLONE BOMBA), ocorrido dia 01 de julho de 2020. Observa que houve “destruição maciça em alguns municípios, como Capão Alto que teve mais de 70% das residências urbanas destelhadas total ou parcialmente e impactos avassaladores em edificações públicas (Escolas, Unidades Básicas de Saúde e CRAS)”.

Os prefeitos consideram fundamental que a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil – SEDEC faça uma visita técnica à região, “tendo em vista a compreensão da necessidade de resposta imediata aos danos causados pelo desastre e a reconstrução de moradias a centenas de famílias atingidas que encontram desalojadas.”

O prefeito Tito Pereira Freitas decretou Situação de Emergência e entende que a capacidade municipal está comprovadamente afetada visto que, o fenômeno causou danos materiais, ambientais e em especial, aos serviços essenciais.

O município depende nesse momento de auxílio nacional e assistência humanitária, com atendimento emergencial de cestas de alimentos e kits de abrigamentos entre outros, uma vez que as baixas temperaturas da Serra Catarinense nesta época do ano, contribuem para o agravo da situação calamitosa, no entendimento do presidente Celso Rogério.

Nenhum outro prefeito recebeu tanto dinheiro para investir na saúde e na cidade

Nunca uma administração teve tanto dinheiro para gastar como tem agora Antônio Ceron. Por cima são mais de R$ 90 milhões:  os R$ 50 milhões do Finisa, mais R$ 20 milhões por conta do Coronavírus e agora mais R$ 20 milhões de emendas. Isso sem contar a ajuda que poderá vir por conta do Ciclone.

E isso sem fazer esforço algum. Com exceção do Finisa que teve de ser negociado, o restante caiu no colo, sem precisar uma única viagem a Brasília ou ao governo do estado.

Independente das razões que determinaram a vinda deste dinheiro, será bom para a cidade. Pelo menos na saúde, creio que não haverá mais ninguém a reclamar do atendimento.