70% dos funcionários dos Correios estão parados

Cerca de 70% dos funcionários dos Correios, em Lages, aderiram à greve nacional da estatal, que teve início na terça-feira (10).

Eles querem reajuste salarial com reposição da inflação, manutenção de direitos trabalhistas e o posicionamento contrário à privatização dos Correios.

De acordo com o dirigente sindical Marcelo Cardozo, que é representante do Sintec/SC em Lages, os Correios ofereceram um reajuste salarial de 0,8% para a categoria. O reajuste não atinge o patamar da inflação de 2018, que fechou o ano em 3,75%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do Brasil.

A categoria também está se posicionando contra essa possibilidade de privatização. 

6 comentários em “70% dos funcionários dos Correios estão parados”

  1. É interessante, quando teve eleições, fizeram vídeo de apoio ao bolsonaro, agora estão fazendo greve…
    Vão trabalhar, tem gente que não tem nem emprego… Se não está bom, saiam e procurem um melhor…

  2. Torço pela privatização. O serviço é péssimo e os preços exorbitantes. Maioria dessas empresas públicas! Só servem de cabide político. Outra questão importante!! 99% apoiaram o Bolsonaro e sua grande família. Outra nessa questão ele não mentiu sempre falou que privatizaria. Ai os trouxas caíram nas falácias dele. Então parabéns ao Bozo.

  3. Sou contra as privatizações, o fator político engessa as empresas na época do lula estas empresas possuíam investimentos e eram exemplos de organização e produtividade, com o golpe de Estado é lógico que descapitalizaram os correios só para poderem venderem barato.

  4. Hipocrisia barata, os que querem a privatização não teriam dinheiro para pagar os serviços que seriam privatizados, é bom demitir os outros e nós será que prestamos alguma coisa decente para darmos o exemplo, geralmente não, só um discurso da boca para fora. Os correios foram usados e descapitalizados financeiramente para prestarem um mau serviço, só isso.

Deixe um comentário