É bom consultar primeiro!

 

 

marciusMachado__2_.JPG

Por duas vezes um vereador apela a ajuda do vereador Marcius e dá com os burros n’água.

Outro dia foi a vereadora Aidamar Hoffer que falando a respeito do pleito dos servidores municipais convocou Marcius como testemunha e esse acabou contradizendo suas declarações.

 

Nessa semana foi o vereador Domingos que apresentou moção questionando as eleições para reitor da Uniplac, cujas novas regras seriam antidemocráticas. Também recorreu ao Marcius para ratificar sua fala.

Esse contestou a proposta de uma maior participação dos professores no processo, sob pena de reviver-se a mesma situação em que colocou a instituição em estado falimentar. Porque os fatos mostraram que os professores estavam matando a galinha na disputa pelos ovos.

Mas agora o professor Domingos está defendendo o voto paritário: 33% para cada uma das partes: alunos, professores e funcionários

Menos, vereador!

 

 

Domingos10.JPG

O vereador Domingos está colocando Marcius Machado no bolso em se tratando de discurso versado.

 

Outro dia chegou a tecer um longo comentário a repeito do apartheid em Lages. Juro que teve gente que não sabe se isso é de comer ou de beber.

Mesmo alguns vereadores têm dificuldades em digerir um discurso tão letrado e o mesmo deve acontecer com seus eleitores.

Faz um tremendo contraste com outros vereadores que têm dificuldades até com o lageanês. “Dejahoje” ainda estava acompanhando a sessão da Câmara e “trupiquei” com algumas falas interessantes.

 

 

Schmuler quer viabilizar projetos

 

O Prefeito de Bocaina do Sul Luiz Carlos Schmuler esteve  em  Florianópolis entregando a documentação necessária para conseguir empréstimo de  R$ 230 mil, junto ao Badesc, para aquisição de britador com capacidade para 18 metros cúbicos hora.

foto_cohab.JPG

Foto: Rodrigo Barth Pereira

Também esteve na Cohab, com o presidente da empresa Ronério Heiderscheidt o qual garantiu ao prefeito a construção de 20 casas populares para pessoas com menos de 2 salários.

Portal turístico

Na terça pela manhã o prefeito viajou  para a capital federal Brasília diversos projetos em mãos sendo portal turístico para o município no valor de R$ 200 mil.

 

Projetos de Schmuler:

– Recursos para a compra de 2 ônibus para o transporte escolar.

– No ministério dos transportes com o ministro César Borges solicitando uma marginal na BR-282 nas proximidades da cidade.

 

Os prefeitos em Brasília

 

Em busca por uma saída para solucionar as dificuldades para extrair cascalho para recuperação de estradas, os prefeitos da Amures estiveram reunidos ontem, à tarde e Brasília, com o deputado federal Valdir Colatto.  E deverão adotar a chamada Lei Complementar 140 de 2011, também denominada Lei das Competências, que assegura aos municípios autonomia legal para licenciar e explorar as cascalheiras.

 

Minist__rio_agricultura__3_.JPG

A forma como será construída esta solução será discutida num encontro regional dos prefeitos com técnicos dos 18 municípios e a assessoria do deputado Colatto. De acordo com o presidente da Amures, padre Edilson José de Souza, o que levou os prefeitos à Brasília em busca dessa solução é o alto custo das taxas de licenciamento exigidas pela Fundação Estadual do Meio Ambiente (Fatma).

 

Prefeitos__2_.JPG

Fotos: Oneris Lopes

“Por cada cascalheira a taxa de licença é R$ 15 mil. É simplesmente impraticável pelas prefeituras”, informou o presidente da Amures. Os prefeitos estão cientes que terão de criar os Conselhos Municipais de Meio Ambiente, os fundos e outras medidas que são prerrogativas para assumir a competência pelas cascalheiras.

 

Minist__rio_agricultura__1_.JPG

Ao todos 13 dos 18 prefeitos da Serra Catarinense estão em Brasília.

 

Conselho faz nova reunião para discutir o caso do Aristiliano

 

O Conselho Municipal de Patrimônio Cultural (Compac), órgão vinculado à Fundação Cultural de Lages (FCL), reuniu-se extraordinariamente  segunda-feira para rediscutir sobre a demolição ou não da Escola de Educação Básica Aristiliano Ramos.

Essa reunião deu-se a partir de uma solicitação do Ministério Público e da Fundação Catarinense de Cultura (FCC) porque o colégio é considerado um bem protegido por lei municipal.

 

Compac_discute_novamente_sobre_demoli____o_do_Aristiliano_Ramos__3_.jpg

Foto: Nilton Wolff

 

Participaram da reunião Joceli de Souza (presidente) e Fabiano Teixeira dos Santos (responsável pelos pareceres de tombamento) da FCC; Gabriel Ribeiro (Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional de Lages); Jorge Raineski (Secretário Municipal do Planejamento) e Rafael Carneiro (também da Secretaria do Planejamento); Gilson Maximo e Adilson Freitas (FCL), além de um representante do Ministério Público.

Índice elevado de veículos com documentação irregular

 

 

trnasito2.JPG

Falando sobre a atuação dos agentes de trânsito e as blitz que vêm acontecendo em Lages, o secretário de Segurança e Ordem Pública, Coronel Paulo Dellajustinaobserva que o município apresenta uma situação atípica.

Enquanto que o índice aceitável de veículos circulando com documentação atrasada é de 11% da frota, em Lages esse índice é de 25,61%. Se a frota hoje é de 90 mil veículos significa dizer que mais de 20 mil estão com a documentação irregular.

 

Acesso na BR 282

 

 

 

Manifesto com a assinatura de 200 empresários do bairro Coral está solicitando que se implante um retorno da BR 282 para a avenida Camões.

Foi apresentado durante reunião da CDL quando o secretário do Desenvolvimento Econômico, Luiz Carlos Pinheiro informou que a decisão sobre a abertura ou não desse acesso é técnica. Serão os engenheiros que dirão se é viável ou não.

Já o chefe do Dnit, Enio Spickerinformou que se a prefeitura bater martelo o Dnit fará, mas não assume responsabilidade pela decisão. Esse acesso ficaria entre a avenida Duque de Caxias e a Camões.

Mesmo com o regional, aeroporto de Lages não será desativado

 

 

 

 

O Aeroporto Federal Correia Pinto não será desativado quando o aeroporto regional de Correia Pinto estiver funcionando, garantiu ontem o prefeito Elizeu Mattos ao participar do vôo inaugural da empresa Brava fazendo a conexão Lages-Florianópolis. O gestor administrativo do aeroporto local, Claus Ramos Klinger lembra também que não se está reativando-o, porque “na realidade o aeroporto nunca esteve fechado, temos uma média de 350 pousos por mês”, disse ele.

Além das atividades do aeroclube que continua formando pilotos (no ano passado formou duas turmas: 40 pilotos), muitos empresários e empresas de Lages já têm seus próprios aviões. Tanto que só esses ocupam 12 hangares.

 

Helicóptero da PM virá para Lages

 

Há ainda a possibilidade de sediar uma base da Polícia Militar, com a designação para Lages de um helicóptero para atender a região.

A PM está adquirindo mais um helicóptero e um deles virá para cá, disse o secretário do Meio Ambiente, Mushue Hampel, a quem já foi solicitada a construção de um hangar no aeroporto local.

 

Aeroporto atua por GPS

 

Segundo o gestor de Segurança, George Picinato, um dos três profissionais qualificados contratados para a operacionalização do aeroporto, hoje todo o procedimento de pouso é feito através do GPS.

Significa dizer que se antes o piloto precisava descer a 900 pés para se posicionar para o pouso, agora reduziu pela metade a aproximação, ou seja, 400 pés.

 

“Vamos ter situações em que o avião não terá condições de pousar no aeroporto regional, mas poderá pousar aqui”, citou Claus, pois o problema de nevoeiro é mais grave naquela região da sulforosa do que em Lages.

 

Elas por elas

 

Há questões que nos fazem pensar a respeito dos dois aeroportos: o regional foi projetado para contar com uma pista de 2.400 metros e 45m de largura.

Mas foram construídos apenas 1.800 metros com 30m de largura. O aeroporto local tem uma pista de 1.500 metros e 30m de largura, podem comportar a implantação de mais 100 metros na cabeceira e final da pista (desde que se tire o dito barracão do outro lado da BR 282). Portanto: dá elas por elas.

A única diferença é que a pista do regional comporta a aviões de carga e a local não. Mais uma vez se chega à conclusão que o aeroporto regional só se viabilizará como terminal de cargas, do contrário será um grande elefante branco.