Olivete Salmória
salmoriaolivete@gmail.com


Parceiros

 

Lages.jpg

 

unnamed_18.jpg

 

Arquivo

 
Muitos candidatos, mas poucas chances de vitória

Até agora muito se falou dos candidatos à majoritária na disputa eleitoral em SC. Mas em se tratando das eleições proporcionais há um batalhão de candidatos que ganha as ruas a partir do dia 16, data em que marca o início da campanha.

Só para deputado federal são 252 candidatos (para 16 vagas da bancada catarinense na Câmara dos Deputados) e para estadual outros 433 candidatos para 40 vagas na Assembleia Legislativa.

Parte dos partidos, entre eles o PT, não fará coligação na proporcional, mas há outras coligações como de Gelson Merísio que os candidatos sairão em bloco. O PSD, PP, PSC, PRB, SD, PCdoB, PPL, Podemos, PRP, PHS e PV terão 72 candidatos federal e 172 a estadual.

 

O MDB se coligará com o PR a federal (PR só indicará Nelson Goetten, de Rio do Sul) com 17 candidatos. A estadual só estará coligado com o PSDB com uma lista de 58 nomes (26 tucanos). Para deputado federal o PSDB fará coligação com o PPS, o DC e o PTB. Significa dizer que ai estará Carmen Zanotto (PPS) em busca de sua reeleição.

Obviamente que não iria se coligar na proporcional com o MDB, uma vez que este partido tem muitos candidatos que superam os 100 mil votos.

Na última eleição Mauro Mariani fez 195 mil votos enquanto Rogério Peninha fez 137 mil. É certo que ambos não estarão nesta disputa, mas estão ai Valdir Colatto, Celso Maldaner e Ronaldo Benedet que vão a reeleição. É bom lembrar que Edinho Bez que ficou como primeiro suplente, fez 102 mil votos e, mesmo assim não conseguiu garantir uma cadeira. Isso porque o MDB só fez cinco cadeiras na Câmara dos Deputados e outros tiveram uma votação maior.

Certamente que nesta coligação, Carmen Zanotto não teria chance, o que é diferente se coligando com os tucanos. O PSDB conseguiu duas cadeiras na eleição passada e a primeira delas foi ocupada por Marco Tebaldi que fez 135 mil votos e a segunda por Geovânia de Sá que fez apenas 52 mil votos, menos do que Carmen Zanotto, com 78 mil votos.  Portanto, Carmen tem chances nesta composição. Para o candidato do PT, Dan Ferreira, cujo partido sai com chapa pura, não há a mínima chance. Na última eleição o PT fez apenas duas cadeiras a federal e os eleitos – Pedro Uczai e Décio Lima –superaram os 110 mil sufrágios. Décio Lima não estará nesta disputa, mas há outros nomes fortes como Carlitos Merss e Cláudio Vignatti. Quanto a Juliano Polese (PP) há incerteza até mesmo se vai concorrer.

Mas se isso acontecer, de fato, as dificuldades são notórias. Para se ter uma ideia, na última eleição o partido garantiu apenas duas cadeiras e uma delas foi ocupada por Esperidião Amin que fez 229 mil votos e o segundo, Jorge Boeira, com 123 mil. Nenhum deles deve concorrer agora, mas há candidatos com maior potencial nesta coligação de doze partidos em que está inserido.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar Código