Olivete Salmória
salmoriaolivete@gmail.com


Parceiros

lages.png

 

unnamed_21.jpg

 

lages_parque_jonas_ramos_peq.jpg

 

Arquivo

 
Carmen ficou indignada com o desvio dos recursos de emendas para as campanhas eleitorais

unnamed_12.jpg

A deputada federal Carmen Zanotto (PPS-SC) protestou contra o desvio de recursos de emendas orçamentárias para compor o fundo que vai financiar  as campanhas eleitorais a partir de 2018.  A medida foi aprovada, na madrugada,  pela Câmara dos Deputados sob protesto da bancada do PPS.

“Lamentavelmente  este fundo foi aprovado de madrugada. Muitos dizem que não é dinheiro da saúde, da educação, da segurança pública e de outras áreas fundamentais para a população. Fico indignada!”, criticou.

A parlamentar disse que o País está em crise econômica e não pode financiar campanha eleitoral. “Faltam recursos para tudo, o desemprego é grande. Insisto: se for com dinheiro de emendas parlamentares, fica difícil retornamos a esta Casa”, afirmou.

Veja o que mudou com as medidas aprovadas ontem:

Cláusula de barreira

 

Como era: todos os partidos recebiam uma fatia do fundo partidário, usado para manter a estrutura das legendas. O tempo de propaganda em rádio e TV era calculado de acordo com a bancada na Câmara.

Como fica: passa a existir um desempenho eleitoral mínimo para que os partidos tenham direito ao tempo de propaganda e ao fundo partidário. Esse desempenho mínimo exige o cumprimento de pelo menos uma de duas exigências:

 

·                   Na eleição de 2018, os partidos precisam alcançar, no mínimo, 1,5% do total de votos válidos distribuídos em 9 estados ou mais. E em cada um desses estados a legenda precisa ter, no mínimo, 1% dos votos válidosOU

·                   Eleger 9 deputados distribuídos em, no mínimo, 9 estados.

 

Essas exigências vão aumentar gradativamente até 2030. A mudança deve impactar principalmente os pequenos partidos, menos representativos.

 

Fundo eleitoral

Como era: não existia. Os partidos e candidatos podiam receber doações apenas de pessoas físicas para financiar as campanhas e não havia verba pública destinada a isso.

Como fica: criou-se um fundo eleitoral com dinheiro público para financiar as campanhas. Foi a alternativa encontrada pelos políticos para conseguir dinheiro para a eleição, após o STF ter proibido o financiamento empresarial.

Sem título_1.jpg

 

Arrecadação

Como era: os candidatos podiam começar a arrecadar dinheiro para a campanha em meados de agosto do ano da eleição. Porém, a liberação do dinheiro ficava condicionada ao registro da candidatura.

Como fica: os candidatos poderão fazer arrecadação prévia de recursos para a campanha em "vaquinhas" online a partir de 15 de maio do ano eleitoral. Os partidos também poderão vender bens e serviços e promover eventos para arrecadar fundos para a campanha dos candidatos.

 

Novo limite para doações

 

Como era: pessoas físicas podiam doar até 10% de seus rendimentos brutos para cada candidato a cargo ou para a chapa majoritária.

Como fica: esse limite será de 10 salários mínimos. A doação acima desse teto está sujeita a multa.

 

Limite para gastos

Como era: não havia limite para gasto de campanha.

Como fica: a partir da eleição de 2018, haverá limite de gasto para as campanhas de cada candidato, por cargo. Os valores são:

 

·                   Presidente: R$ 70 milhões no 1º turno, e metade deste valor no 2º turno, se houver.

·                   Governador: varia de R$ 2,8 milhões até R$ 21 milhões, de acordo com o número de eleitores do estado.

·                   Senador: de R$ 2,5 milhões a R$ 5,6 milhões, de acordo com o número de eleitores do estado.

·                   Deputado federal: R$ 2,5 milhões, independentemente do estado.

·                   Deputado estadual: R$ 1 milhão, independentemente do estado.

 

Debates

Como era: as emissoras de rádio e TV eram obrigadas a convidar para os debates os candidatos de partidos com mais de 9 deputados na Câmara.

Como fica: esse número foi reduzido para 5.

Discurso de ódio e fake news

 

Como era: não havia regras específicas para publicações em redes sociais durante a campanha.

Como fica: o Congresso aprovou lei que exige dos aplicativos e redes sociais a suspensão das publicações denunciadas por promoverem discurso de ódio ou divulgar informação falsa até que seja identificado o autor. A intenção é evitar que perfis falsos sejam usados para difamar candidatos. Mas entidades apontam que há risco de censura na emenda.

 

Voto impresso

Como era: não havia. O voto ficava registrado somente na urna eletrônica.

 

Como fica: foi aprovada a impressão do registro do voto para a eleição de 2018, mas o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já avisou que não terá orçamento para implantar a medida em todo o país.

Sexta, 06 de Outubro de 2017 12:49
Escrito por: Olivete Salmória | Última atualização em Sexta, 06 de Outubro de 2017 13:12

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar Código