Secretário explica a questão da falta de água

 

 

O grande consumo de água neste verão vem provocando a escassez do abastecimento nos pontos mais altos da cidade. Segundo dados da Secretaria Municipal de Águas e Saneamento (Semasa), enquanto o consumo médio gira em torno de 35 mil m³, neste verão elevou-se para 50 mil m³, o que dá uma defasagem de 15 mil m³.

Com isso, a água que deveria alcançar as áreas mais altas da cidade, acaba sendo consumida nas partes mais baixas. Isso acarreta a falta de água e reclamações dos consumidores. Um exemplo disso é o que ocorre no Residencial Tozzo, construído na parte mais alta do bairro Promorar. Ali tem ocorrido falta de água, sendo que nas demais áreas daquele bairro e do Bela Vista, logo abaixo, o abastecimento é normal.

 

estacao_de_tratamento_de_agua.JPG

Áreas como o do bairro Guadalajara, Chapada, altos do Guarujá e Pisani, tem tido problemas de falta de água também. “Nós pedimos a comunidade em geral que economize água, pois o problema não está na falta de equipamentos (buster), os quais bombeiam a água para as áreas mais altas. Ocorre que a água não está chegando até as bombas”, esclarece o secretário municipal da Semasa, Jonas Alberto Ferreira.

“As pessoas precisam se conscientizarem de que tudo aquilo que elas consumirem a mais, irá faltar para os consumidores residentes ou estabelecidos em pontos altos da cidade. Nestes períodos de calor excessivo, pede-se que as pessoas não lavem as calçadas, não desperdicem água”.

Nota de esclarecimento

 

 

 

Presidente da Câmara de Vereadores, Anilton Freitas esclarece:

 

 

Senhores bloguistas, em nome do presidente da Câmara de Vereadores, Anilton Freitas, esclarecemos que:

No ano de 2012, a Câmara de Vereadores tinha R$7,5 milhões de dotação orçamentária. O presidente Anilton Freitas se propôs a economizar R$ 1 milhão. No inicio deste mês, foi feita uma transposição orçamentária, de acordo com o decreto 13.008, de R$ 644 mil. No encerramento contábil sobraram mais R$ 267.455,36 mil, totalizando R$ 911.455,36 de dotação orçamentária não utilizada. Assim sendo, o presidente deixou de utilizar todo o valor que tinha direito. Quando se fala em dotação não se trata de dinheiro. Na realidade não houve este repasse para a Câmara. A Casa não precisou utilizar estes recursos devido às economias feitas. Vale ressaltar que esses R$ 911.455,36 ficaram nos cofres públicos da Prefeitura. Portanto, houve essa economia no Legislativo. 

 

Assessoria de imprensa da Câmara de Vereadores

Auditoria, mas sem caça às bruxas

 

 

 

Embora sustente que não pretende fazer caça as bruxas, o futuro prefeito Elizeu Mattos encomendará uma auditoria, até porque precisa desse diagnóstico.

“Sou obrigado a fazer isso para não ter de responder por ações lá na frente. E farei isso com total transparência, seja o diagnóstico negativo ou positivo, será divulgado”.

 

Diz ele: “espero que esses restos a pagar citados pelo secretário de Finanças, sejam um valor pequeno, pois está dentro da Lei de Responsabilidade Fiscal. Até para que não inviabilize a administração. À hora em que eu entregar a prefeitura quero entregar de forma equilibrada, pois teremos um controle de gestão muito forte. Nada passará, sem que se tenha total controle dos gastos.”

Haja ar fresco

 

 

No início do ano, mais precisamente em abril, a Câmara de Vereadores abriu licitação para a manutenção e recuperação de 41 aparelhos condicionadores de ar. Pelo visto a Câmara tem ar condicionado até no banheiro. Também chama atenção no balanço do legislativo a quantidade de gasto com gráficas. Fico me perguntando que tipo de material gráfico a Câmara utiliza em plena era digital?

 

 

Presidente justifica a economia que ele diz que conseguiu:

 

 

aniltonFreitas.jpg

 

“Outro ponto favorável para esta economia foi a mudança de horário de funcionamento da Casa. Com ela, em menos de um ano, deixamos de gastar cerca de R$ 30 mil”

Anilton Freitas

Enorme despesa de uma Câmara de apenas 12 vereadores

 

 

Segundo consta, a Câmara de Vereadores teria direito a um repasse esse ano de R$ 10 milhões conforme previsto em lei. Mas, em acordo com o executivo foi fixado em R$ 7,5 milhões e a Câmara acabou gastando R$ 6,8 milhões. Segundo o secretário de Finanças, Walter Manfrói, a  transposição orçamentária só chegou a R$ 644 mil. “Ainda estamos aguardando o repasse dos valores (um milhão de reais) anunciados pelo presidente da Câmara,”observou. Se considerarmos os valores gastos, a despesa do legislativo foi extremamente alta uma vez que eram apenas 12 vereadores.

 

E, principalmente se considerarmos o resultado da atuação deles. Interessante é que o presidente, Anilton Freitas, chegou a elogiar os colegas que colaboraram com a redução das despesas. Fizeram o que ele não fez, pois foi o que mais gastou com diárias: R$ 2.991,00. Há considerar o tempo em que permaneceu na Câmara, a suplente Sirley Bordin foi a que mais gastou: R$ 1.353,00.

 

Aqueles vereadores – e foi a maioria – que defenderam a tese de que o aumento de cadeiras não implicava em despesa, estão sendo desmentidos agora. A começar pelo orçamento para 2013, foi fixado em R$ 8 milhões. Hoje tem 68 funcionários, sendo que destes 54 são contratados e 14 efetivos. Esse é o número repassado pela Câmara. Mas sabemos que cada vereador tem dois assessores contratados – alguns têm mais -. Só ai seriam 24. Sem contar os terceirizados.

 

Para a próxima legislatura será preciso fazer uma reforma administrativa para adequar a estrutura para 19 vereadores. Só de assessores parlamentares pulará de 24 para 38 (dois por cada vereador). E as despesas não param aí.

 

Além da adequação dos gabinetes e plenário para receber os mais sete vereadores, já foi aberta uma licitação, no dia 10 desse mês para a contratação de empresa para a ampliação de novas salas, na garagem do prédio para abrigar os setores de licitação, controle interno, imprensa, rádio e assessoria jurídica.

 

Os gastos com o Marketing

 

 

Chama atenção no portal Transparência relativa a Câmara de Vereadores, a dispensa de licitação visandoa contratação de Empresa Especializada na Prestação de Serviços Técnicos de Projetos de Divulgação de Atos, Programas, Serviços e Campanhas Publicitárias, bem como Planejamento e contratação de execução de atividades na área de Marketing para a Câmara de Vereadores de Lages, por um período de 30 dias, cuja empresa contratada foi a PRO3 Comunicações Ltda. O período de vigência foi de 09/04/2012 até 08/05/2012. E o valor pago: 54 mil.

 

A despesa anual com essa empresa foi de R$ 236.471,27. Isso que há uma segunda empresa da área do marketing que também prestou serviço à Câmara.

Prefeito repassará decretos de benefícios para empresas

 

 

Está programado para esta quinta-feira, às 10 horas, no Gabinete do Prefeito Renato Oliveira, o ato de entrega de Decretos que beneficiam empresas, de diversas atividades, com incentivos fiscais e doações de terrenos. Ao todo 11 empresas lageanas estarão recebendo os Decretos.

 

decretos_empresas.JPG

   De acordo com o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Carlos Eduardo de Liz, estes serão os últimos decretos repassados pela atual administração. “São benefícios concebidos aos empresários pelo poder público municipal e que geram mais emprego e renda para os lageanos”, disse.

Hospital esclarece a questão da hemodiálise

 

 

Prezada Senhora Olivete Salmória,

O Ministério da Saúde preconiza uma máquina de hemodiálise para cada 10 (dez) leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Cada máquina tem capacidade para dialisar 03 (três) pacientes por dia.

A UTI do Hospital Tereza Ramos (HTR) está dentro das normas supracitadas, pois dispõe de 10 (dez) leitos e uma máquina de hemodiálise.

Trata-se do único serviço de hemodiálise intra-hospitalar (UTI) da região, com equipe de médicos, enfermeiros, técnicos especialistas e estrutura física adequada.

No dia 21/12/2012 a UTI do HTR já estava com 3 (três) pacientes em diálise, quando recebeu solicitação de leito da UTI do Hospital Nossa Senhora dos Prazeres (HNSP) para paciente com necessidade de diálise, sem condições clínicas de remoção para outra cidade. Assim sendo, optou-se pelo aceite da transferência do referido hospital, mediante empréstimo temporário de uma máquina de hemodiálise do Hospital Regional de São José, com anuência da Secretaria de Estado da Saúde.

 

Atenciosamente,

 

26/12/2012.

Direção do HTR.

Máquina veio de helicóptero

 

 

 

Leio uma nota no DC que me deixa surpresa:

 

“A única máquina de hemodiálise da UTI do Hospital Regional São José foi levada de helicóptero para Lages para atender a um paciente na Serra.”

 

Não é possível que a falta de equipamentos faça com que os disponíveis fiquem sendo transportado de helicóptero de lá para cá.

 

Mesmo porque só esses deslocamentos deve ter um custo elevado que, somados a um pouco mais, permitirá a compra de mais.