Duas medidas a serem tomadas a partir da audiência Pública

Da audiência Pública a respeito do preço dos combustíveis foram tiradas dois posicionamentos: uma comitiva de vereadores deverá ir até o prefeito Ceron para solicitar que proceda o concurso para a contratação dos dois fiscais do Procon e a ida também ao Ministério Público para saber em que pé se encontra a investigação sobre a existência de cartel em Lages.

Mulher se surpreende ao saber que tem pinos na coluna

O repórter Vantuir Reche entrevistou uma senhora, nesta manhã de quinta-feira, que fez uma radiografia pelo SUS e quando foi pegar o laudo se surpreendeu ao constatar que tinha pinos na coluna.

Ela jamais fez qualquer cirurgia para colocação de pinos na coluna, mas eles estão lá na radiografia.

Obviamente que a radiografia foi trocada e o sujeito que tem os pinos deve ter ficado muito feliz ao pegar a sua radiografia e constatar o milagre do desaparecimento dos pinos. Vejam então com que cuidado os laboratórios manipulam estes exames.

Dinheiro jogado fora, pois as radiografias terão de ser refeitas.

Postos de Lages têm a maior margem de lucro por litro de combustível comercializado

Coordenador do Procon, Júlio Borba, destacou durante a audiência pública para discutir o preço dos combustíveis em Lages, realizada ontem, na Câmara,  que 66% dos postos do município praticam praticamente o mesmo preço, o que caracteriza cartel.

Segundo pesquisa realizada pelo Procon, enquanto nos outros municípios o lucro por litro de combustível praticado pelos postos fica entre R$ 0,16, R$ 0,17, em Lages é de R$ 0,57.

O advogado dos revendedores de combustíveis alega que isso ocorre porque “a concorrência aqui em Lages é muito acirrada”. E que a “similaridade de preços não pode ser caracterizada como cartel”.

Vereadores querem saber a respeito da “bolsa-técnico”

Através vereador Gerson dos Santos foi aprovada a Bolsa-atleta e alguns atletas já estão sendo beneficiados com elas embora o valor não seja significativo.

Mas agora descobri que também existe a “bolsa técnico”. Tanto que os vereadores, Amarildo, Bruno Maurício, Jair, Lucas e Osni estão querendo saber em que situação se encontra e se foi constituída uma comissão para tratar do assunto conforme anunciado na audiência pública realizada em 2017.

Sobre a doação da área para a faculdade de tecnologia do Senac

Na semana passada a Câmara de Vereadores aprovou projeto de executivo autorizando-o a doar uma área próxima ao Ifsc, na rua  Rua Heitor Vila Lobos, no bairro São Francisco, para o Senac que ali pretende construir a Faculdade de Tecnologia.

Em princípio achei estranho esta doação, uma vez que já na inauguração do Órion Parque havia a determinação de um espaço para que o Senac construísse ali esta faculdade. A informação que obtive foi de que na época, o terreno foi repassado através de decreto, que pela lei Nº 3626/2009  somente depois de dez anos de atividade, ou de uso do terreno, teria o direito de propriedade. Ocorre que neste sistema, para que o terreno fosse escriturado em nome do Senac haveria necessidade de se esperar todo este tempo.

Em função disso, o Senac nacional travou o processo porque só libera os recursos para edificação mediante a escritura deste terreno. Portanto, foi preciso que se aprovasse esta lei de doação, para que se oficializasse o recebimento da área e o Senac tenha em mãos a escritura.

Como observa Claiton Camargo, um dos diretores do Órion, o Senac continua dentro do escopo do parque apesar de ter sido desmembrado esta área para o projeto ser viabilizado. Apenas atende a uma formalidade para que o processo tenha continuidade. Na realidade pelo decreto que havia sido repassado o terreno, em 2015, o prazo já teria vencido, uma vez que era de três anos até o início das obras.

O Senac ainda não sabe o valor do investimento, uma vez que somente agora, com o encaminhamento da escritura, o Senac nacional começará a elaborar o projeto arquitetônico. A implantação desta faculdade é um passo importante no processo no contexto do Órion Parque que já se mostrou um projeto importante para Lages.

Marin reclama de obra abandonada

O vereador Luiz Marin cobrou da secretaria competente o trabalho realizado no Bairro São Paulo que ficou inacabado. Lembrou que as ações precisam ter início, meio e fim.

”Aquela rótula ficou inacabado e a informação que me deram é de que faltou asfalto. Quero deixar o pedido e até nossa indignação porque está demorando muito”.

E ainda deu o prazo até o final da semana para concluir “senão o pau vai pegar”, ameaçou ele.

Airton está trabalhando para trazer mais de R$ 1 milhão em emendas

 “Como suplente estamos trabalhando para liberar emendas para nossa Região através dos deputados do PSL. Conseguimos a destinação de R$ 550 mil através do deputado Coronel Armando. São R$ 200 mil para o Hospital Infantil (custeio), R$ 200 mil para o Hospital Nossa Senhora dos Prazeres (custeio) e R$ 150 mil para a APAE (compra de veículo). Isso foi somente para Lages, mas haverá liberação para outros municípios da Região.”

Suplente de deputado federal pelo PSL, Airton Amaral ao destacar o trabalho do partido na busca de recursos para a região.

Pavimentação: acabam, os discursos, as máquinas vão embora, diz Lucas

A pavimentação de ruas foi um dos assuntos abordados pelos vereadores na sessão de segunda-feira. Repercutiu uma discussão que já vem ganhando as ruas de que a promessa era pavimentar as ruas onde passam os ônibus coletivos e as primeiras ordens de serviços foram para ruas que não passam por este critério.

O vereador João Chagas (PSC) disse que está aguardado que saia a licitação de todas as demais que serão pavimentadas com o financiamento da Caixa, porque estas sete ruas que receberam a ordem de serviço não fazem parte de corredores dos ônibus coletivos. Ele diz esperar que em breve saia o restante das ruas para saber quais e onde estão as ruas contempladas e se atendem ao propósito anunciado pela prefeitura.

“Pois é isso que estamos esperando”, diz. Crê que pelo menos uma em cada bairro seja contemplado com a pavimentação. Tem consciência que não dará para tudo, uma vez que tem rua com um a dois quilômetros.

“Não dá para pagar R$ 2 a R$ 4 milhões em apenas uma rua. No bairro Guarujá, a rua onde passa o ônibus tem 1.500 metros”, citou Chagas. Daqui a 15 a 20 dias começa a revitalização da avenida Aujor Luz, segundo o vereador Pedro Figueredo, que também está neste pacote. Como Chagas, ele também sabe que o dinheiro do Finisa não permitirá fazer tudo, “mas será feito o que der. Seja 10, 20 ou trinta ruas, onde o asfalto passar a pessoa que mora lá ficará muito gradecida”, garante Pedro.

Já o vereador Lucas Neves usou da tribuna para observar que “dentre as ordens de serviço que estão entregando, a exceção do bairro Tributo, um dia depois da entrega da ordem de serviço já não havia obra nenhuma”. O prefeito disse por mais de uma vez que só dão a ordem de serviço com as máquinas roncando. Contudo, segundo Lucas, “vão lá, roncam as máquinas, fazem o discurso, descarregam uma meia dúzia de tubos, todo mundo vai embora e uma hora depois as máquinas vão atrás”.