Vereadores querem resgatar o marco zero da fundação de Lages

Vereadores Amarildo Farias (PT), Mauricio Batalha Machado (Cidadania) e Osni Freitas (PDT) ao prefeito de Lages, Antônio Ceron (PSD), e ao Conselho Regional de Arquitetura e Engenharia de Lages (Crea).

 Sugere que a Prefeitura Municipal de Lages, em parceria com o Conselho Regional de Arquitetura e Engenharia de Lages (Crea), elabore projeto para a criação do monumento do Marco Zero do município.

 

Considerando a importância do patrimônio histórico imaterial e visando o resgate do sinal de jurisdição estabelecido no ano de 1769, pela autoridade de Correia Pinto sobre o local do município de Lages, tendo em vista que o mesmo foi descaracterizado com o tempo.

Considerando reestabelecer a identificação material do Marco Zero da cidade de Lages, para existir nas memórias, permitindo aos cidadãos lageanos a visibilidade material, o qual foi descrito com a importante participação do escritor Claudio Silveira, na revista “História Catarina, Edição Especial – 250 anos”, no ano de 2016, historiador e especialista no assunto, sem o qual não seria possível esta proposta.

Considerando que o Marco Zero de uma cidade representa o seu centro geográfico, a partir do qual todas as medições de distância relativas a ela são estabelecidas. Considerando que é um marco indicador das distâncias entre os municípios e a Capital, bem como demonstra que o crescimento da cidade começou a partir daquele local.

Considerando que em Lages o Marco Zero está situado no espaço onde estava o Colégio Aristiliano Ramos na Praça  João Costa (Calçadão), entre as ruas Nereu Ramos e Coronel Córdova, com as coordenadas geográficas do Marco Zero da cidade, estabelecido através da monografia dos vértices, conforme se segue:

– No vértice norte, com a Rua Coronel Córdova: UTM 566219,7550m E e 6923090,0549m S; Longitude – 50º19`39,57 e Latitude -27º48¨54,63”;

– No vértice Norte com a Rua Nereu Ramos: UTM 566287,3933m E e 6923122,9032m S; Longitude -50º19¨37,10” e Latitude -27º48¨53,55”;

– No vértice Sul, coma Rua Coronel Córdova: UTM 566244,4316m E e 6923031,2355m S; Longitude -50º19¨38,65” e Latitude -27º48¨56,54”;

– No vértice Sul, coma Rua Nereu Ramos: UTM 566314,9017m E e 6923060 E e 6023060,2456m S; Longitude -50º19¨36,08 e Latitude -27º48¨55,45”.

* (Fonte: Secretaria de Planejamento/Seplan – Prefeitura Municipal de Lages).

Diante da exposição de motivos, e no intuito de buscar o resgate histórico e o melhor para nossa cidade, solicitamos ao Poder Executivo e ao Conselho Regional de Arquitetura e Engenharia a parceria para a viabilidade e a realização do projeto.

Moção legislativa aprovada na sessão de segunda-feira

 

Neste local citado como marco zero é onde foi construída o primeiro prédio de Lages onde estava a   Câmara e também a cadeia pública.

 

Traçado do Parque Nacional de São Joaquim será revisto

“A insegurança dos proprietários e dos municípios é muito grande. A lei promulgada em 2016 não corresponde ao traçado do mapa do ICMBio, então precisamos buscar uma solução para esse impasse”, enfatizou a deputada federal Carmen Zanotto.

Hoje ela esteve com o presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Homero Cerqueira, que irá reconstituir o grupo de trabalho para estudar a revisão do traçado do Parque Nacional de São Joaquim. 

Com a nova portaria serão incluídos os municípios de Grão Pará, Urubici, Bom Jardim da Serra e Orleans.

O prefeito de Bom Jardim, Serginho Rodrigues de Oliveira; o vereador de Bom Jardim João Cristiano; o presidente do Ecomuseu, Claudio Lottin; o presidente da AMI de Urubici, Erionei Mathias;  o prefeito de Lauro Muller, Valdir Fontalenela; o prefeito de Grão Pará, Márcio Borba; o prefeito de Urubici, Antônio Zilli e o analista do ICMBio, Bernardo Brito também participaram da reunião.    

Crescem as queixas sobre o atendimento de emergência no Hospital Seara do Bem

Nestes dois últimos dias tenho ouvido muitos relatos de mau atendimento no Hospital Infantil Seara do Bem. Mães desesperada porque aguardam horas a fio na fila com os filhos nos braços com febre e fome, sem ter esperança de serem atendidas.

Não sei o que está acontecendo: se é o aumento da demanda acima da capacidade de atendimento, falta de pessoal para atender ou por falta de atenção dos funcionários.

De qualquer forma a direção do hospital deveria, pelo menos expedir uma nota explicativa.

Uma pessoa amiga conta que ligou para a direção do hospital colocando do problema e indagando a razão desta demora de atendimento ouviu a seguinte resposta: “se quiser ser atendida mais rapidamente então pague uma consulta.”

O desafio da Uniplac é pagar toda a dívida em cinco anos e ficar com R$ 25 milhões em caixa

 No primeiro semestre de 2016, havia a previsão da Uniplac encerrar com um déficit de quase R$ 5,9 milhões, pois o déficit mensal ultrapassava R$ 690 mil. Foi necessário reduzir o quadro de funcionários, renegociar dívidas e economizar com os gastos habituais.

De acordo com o diretor executivo da Fundação Uniplac, Carlos Eduardo de Liz (Caco), a universidade encerrou o ano de 2018 com um resultado superavitário, ultrapassando os R$ 6,3 milhões. “O nosso maior desafio é, nos próximos cinco anos, pagar toda a dívida e ficar com, no mínimo, R$ 25 milhões em caixa”

São pouco mais de 4 mil alunos matriculados neste primeiro semestre de 2019 e a meta para 2020 é ultrapassar os 5 mil alunos. Se destaca que há anos o total de estudantes da Uniplac não sai dos quatro mil.

Estas informações foram repassada aos empresários durante reunião da Acil , da qual o diretor da Uniplac participou.

Prefeitura está atenta após acidente com aeronave no aeroporto local

A Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Turismo está acompanhando os desfechos para acelerar a retomada da normalidade de pousos e decolagens no Aeroporto Federal Antônio Correia Pinto de Macedo após a ocorrência de um acidente com um avião de pequeno porte no final da manhã desta terça-feira (18 de junho). A Prefeitura de Lages está atenta, motivada pelo alto fluxo de movimentação de público que chega à cidade para prestigiar as atrações da 31ª Festa Nacional do Pinhão. A aeronave Embraer 711 (EMB-711), Código Fonético PT-NXT, com capacidade para quatro passageiros, da empresa Felisberto Córdova Advogados, de Florianópolis, estava se deslocando do Aeroclube de São José, Grande Florianópolis, para Lages e, de acordo com o gestor operacional da Infracea Controle de Espaço Aéreo (administradora do Aeroporto Federal), capitão Marconi Augusto Farias de Oliveira, baseado no relato do piloto, por volta de 11h50, ao ingressar no circuito de tráfego, o piloto deu comando para tentar baixar o trem de pouso, não obtendo êxito, seguindo então o procedimento padrão de baixar manualmente, tentando efetuar o pouso.

Segundo disse o piloto a Marconi, o avião chegou a tocar o solo, correu um pouco na pista, mas logo ele percebeu que o trem de pouso do lado direito começou a se recolher e adotou a medida de sair da pista, derrapando e parando no solo com gramado, à beira da pista.

O fiscal de pátio do Aeroporto Federal estava acompanhando o pouso e prontamente prestou apoio. O Corpo de Bombeiros foi acionado.

Estavam na aeronave o piloto e mais dois passageiros. “Por se tratar de uma firma particular, iriam tratar de assuntos jurídicos em Lages, acredito eu. Eu elogio o piloto, que conseguiu pousar bem, apesar do recolhimento do trem. Havia familiares e amigos aqui em aguardo e levaram os passageiros, que estavam bem e foram averiguados pelos bombeiros e posteriormente liberados”, comenta Marconi.

 

Audiência pública sobre a festa já teve efeito

Segundo o vereador Jair Júnior a audiência realizada no dia 29 de maio para discutir a Festa do Pinhão já surtiu efeito, pois a prefeitura chamou ou comerciantes para discutir um modelo de edital.

Sabe-se também que a Acil foi convidada a opinar e deverá apresentar suas sugestões.

Algumas pessoas dizem que a audiência e mesmo as críticas ocorridas durante o evento foram feitas pelas pessoas que não gostam da festa e não querem que ela aconteça. Pelo contrário, é por gostar do evento e querer que a parceria público-privada seja aprimorada que esta audiência foi feita e colhidas as mais diversas opiniões. Se lá fossem apenas pessoas para elogiar o evento, nada acrescentaria no sentido de aperfeiçoa-la.